Psiquê no Divã

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Lá e de volta outra vez...

Meus caros...
Peço desculpa pela ausência durante todo esse tempo. Os afazeres tanto da faculdade quanto outros eventos acabaram por tomá-lo por inteiro, mas pretendo tornar com que sejam constantes os posts novamente. O tema de hoje é o amor!
Na verdade, eu nem iria postar sobre ele mas de acordo com alguns fatores e eventos tanto diretos quanto indiretos, resolvi dedicar este dia para falar deste adocicado e envolvente veneno. Sei que muitas pessoas irão me condenar por usar este termo para denominá-lo, mas é deveras verdadeiro. Sabe quando você toma um xarope horrível quando está gripado, porque sua mãe te impôs? Na hora o gosto é extremamente desagradável, mas depois você percebe que os resultados são maravilhosos. Este é o sentido da palavra veneno. Porém, o amor ainda é mais ardiloso que um xarope anti-gripal: ele pode vir em diversas formas, porém a dosagem é pessoal. Quanto maior, mais dependente você será. Sim, existem pessoas viciadas no amor. Transferem o sentido da sua vida, da sua felicidade, do seu futuro, tudo em outrem. Como se ele (a) fosse uma espécie de refúgio, tábua de salvação, super-homem, mulher maravilha, anjo protetor, suporte... enfim... dêem o nome que quiser, acredito que vocês já tenham entendido o contexto. Acho que esse tipo de amor é ainda mais danoso. É algo que subtrai, suga, diminui, exauri... o outro estará sempre dando demais e nunca será o suficiente. Tudo tem q ser feito em função da outra pessoa.
Seja pela vida e pela morte. Amém! Mas será justo? Um relacionamento assim é produtivo? Tem condições de seguir àdiante? Sei que isso aqui é um espaço para dividir experiências, então sinto-me no direito de deixar aqui, em algumas linhas a vivência de anos. Tive poucos relacionamentos sérios, mas digamos que de todos eu tirei uma lição: a palavra chave para que se mantenham os laços fortes e indissolúveis é RESPEITO! Como é possível? Sendo extremamente fiel? Fazendo todas as vontades? Relevando coisas que incomodam? Não, na verdade o respeito vai um pouco além de tudo isso.
Quando se respeita alguém você não permite nem ofender nem ser ofendido, não permite que ninguém lhe fira e nem fere impunimente. Não alimenta mágoas nem rancores, procura exercer o diálogo na relação para que não haja farpas pelo caminho e espinhos que machuquem de tal forma que o tempo faça com que a carne fique eternamente ferida. Respeito é ser quem é e não mentir. Deixar o outro ciente não apenas das suas qualidades, mas sobretudo dos defeitos... e se mesmo assim, ele permanecer te amando, é porque vocês encontraram o equilíbrio da balança. Não existe par perfeito. Existe apenas a perfeição naqueles que buscam transformar um dia após o outro. Transformar o dito cujo (defeito) na mais bela virtude. Aquela carinha de emburrada com ciúmes do (a) amigo (a) de infância pode ser um charme a mais e motivo para se dar boas risadas usando comentários como : "Sabia que você fica uma graça quando está assim, com essa carinha de brava (o)"? Coisas simples como bom senso, saber sobretudo ouvir, compreender, saber argumentar são ingredientes mais que necessários para um futuro promissor.
Não sou expert nessa arte e posso dizer que tenho milhões de defeitos que preciso trabalhar. Um deles é o fato de não admitir determinadas coisas. Sabe quando guarda muita coisa apenas pra si? Quando ao invés de colocar pra fora, simplesmente encolhe tudo dentro do seu peito e finge que está tudo bem? Como se não se importasse, não doesse? Pois é... sei que é chato receber conselhos, mas mesmo assim eu darei um : Seja pro bem ou pro mal, nem que seja pra si mesmos: ADMITAM! Digam como dói, se dói, se amam, odeiam, sentem faltam... posso dizer que quando parei de negar pra mim mesma que amava, parou de doer, de sufocar. O veneno do amor é tão eficaz que quanto mais você tenta negá-lo, bani-lo mais ele se torna forte, eficaz... como se possuísse uma espécie de anti-corpus contra este tipo de efeito. A negação! Quanto mais se nega, mais se importa, mais se ama, mais machuca. Vão por mim...

Outro ponto importante a ser citado : não pensem que o amor é indissolúvel. Ele na verdade é mutável. Ele pode até ser eterno, mas dependendo de algumas circusntâncias, ele pode transformar sua forma de ação.

Alguns no entanto, permanecem... de uma forma inexplicável. É uma marca tão intensa que simplesmente o tempo não apaga.

Independente de como ele se mostra ou de que forma é vivido, uma coisa é certa : o amor é um dos únicos sentimentos que têm o dom de fazer o ser humano ir ao ápice tanto do prazer quanto o da dor.

Mas para essa questão, eu volto numa coisa que eu disse lááá em cima... "manter o equilíbrio da balança"...

E você, meu caro e ilustre visitante... de que forma ama ou é amado?

Espero que tenham apreciado!

Até a próxima!

P.S: Essa frase é pra vc - "... das lembranças que eu trago da vida, você é a saudade que eu gosto de ter!"
posted by Luciana Santos at 20:31

4 Comments:

As vezes é até chato pra comentar quando a pessoa já fala tudo no post rsrsrssr
Bem vinda de volta, Lú, você fez falta, pode ter certeza!!!
Agora quanto ao Amor..ah, o amor.
Penso que para alcançarmos esse grau de cumplicidade, respeito e independencia numa relação amorosa, faz-se necessário que antes que pensemos em amar outrém, amarmos nós mesmos, nos conhecermos, termos tesão quando nos olharmos no espelho e vermos alguém que busca a plenitude em si.
Amo minha namorada, ela provavelmente será a mulher da minha vida, mas não busco que ele me complete e tambem quero-a completa, independente. Só assim poderemos (como estamos fazendo) criar algo nosso, com a nossa cara, algo maravilhoso, divino. Algo sublime. O nosso Amor!!!

11 de dezembro de 2008 03:59  

Eeeeee está de volta!!! \o/

A pessoa fala tudo no post e o namorado(mais lindo ^^)completa... não tem mais nada pra falar hahahahahahahahaha

Como o Igor falou, para um amor dar certo as pessoas deve admitir que antes de serem um casal, são duas indivíduos que tem vida própria. Que podem caminhar sozinhos, buscando suas próprias experiências.Deve ter amor próprio, para depois tentar amar uma outra pessoa.

Eu e Ele estamos vivendo algo que só dá tão certo pq nós entendemos que somos duas pessoas independentes e não a base da vida do outro.

;D

11 de dezembro de 2008 04:55  

ah o amor...
definição do indefinido...isso pra mim eh amor...é uma palvra forte, cheia de significados mas que muitas vezes não significa o suficiente.

enfim, eu amo! admito, admito sempre. mas, contudo, não amo um amor destrutivo, nem deverás um amor que soma...
amo um amor doído...um amor distante...porém, um amor... um veneno doce e corrosivo ao mesmo tempo delicioso e inebriante...

ah o amor...


Beijo Lú!!

ps: vô cobrar cachê pela descoberta de que admitir é sempre melhor ;) rsrsrs

15 de dezembro de 2008 20:58  

why u so serius?? O.o


L'amour, ha....o amor!!!
bom, como todos comentaram como um amor pode dar certo... me pronunciarei para dizer exatamente o contrario..

Como um amor pode dar errado??

Mas, pensando melhor... Como ele poderia dar certo?
O amor não é mesuravel, contavel, medido de nenhuma forma.
Uma mulher que apanha do marido (mulher de malandro como dizem as mas linguas, não ama de verdade?
E por que não?
não ah respeito algum em um relação nesse padrão, e sim uma relação de dependecia, do agressor e da vitima, mas mesmo assim mtas dessa mulheres afirmam amar os seus filhos o seu lar, dão mil motivos para permanecer em suas casas.

Isso é amor?
Acho q não cheguei a esse estagio de conhecimento para poder discordar, ou discordar.

O amor é sim, um veneno, deveras doce. Mas tambem o fado amargo.
Quem nunca se frustrou? Nunca teve um amor que deixou a sensação de algo que ficou vazio, incompleto??!! Não terminou!??!

Pro diabo com as frustrações!!

Mas como ja dizia o poeta. Quem pode viver o amor??

É ferida que doi e não se sente??
Pro diabo com isso tbm..
se sente e se sente mto!!
Mas o maldito poeta tinha plena e verdadeira RAZÂO.

Ninguem vive sem amar!!


" que seja imortal posto que é chama..." é que se dane como vai acabar!!

Segura no puta merda!!!


f
u
i
.
.
.
.

28 de dezembro de 2008 19:31  

Postar um comentário

<< Home