Psiquê no Divã

domingo, 1 de março de 2009

Olá, meus caros! Como foram de carnaval? Conseguiram sobreviver às tentações? Hahaha... Assim espero!


Bem, hoje venho deixar para vossa apreciação um texto que fiz ainda há pouco e espero sinceramente que seja do agrado de todos. Fala sobre algo que nos incomoda, um mal que já foi citado anteriormente nesse blog, mas digamos que nesse texto ele vem de forma mais "encorpada".


Claro que podem existir (e é claro que sabemos que existem) outros males tão indesejosos ou indigestos quanto e fiquem à vontade para comentá-los no mesmo, afinal estamos aqui para o exercício, troca e fluído de idéias.


Enjoy! ;)


Cabo Frio, 01 de março de 09.

Visita Indesejada


E quando a solidão vem fazer morada?
E quando o frio castiga a dor do coração tão calejado?
Nessa noite as lembranças, amor, fazem morada;
Nessa noite, a saudade vem te visitar.
E ela é tão doída que sufoca o peito
Aperta tanto que o ar nos falta...
E o choro às vezes vem baixinho, amor...
Tanto que só seus ouvidos são capazes de captar
O som que a sua dor provoca;
E nessa noite amor, seu sonho será roubado
Pelas sombras do passado...
Ele vem, bem de mansinho
Pra sua cama, ser seu ninho...
Seu leito, seu ventre, sua fachada;


“Não chores, não me peças pra sair;
Eu prometo que quieta irei ficar,
Só pro teu sono velar, só pra te ver dormir...
E adormecer nos meus braços,
No calor frio do meu abraço...
Apenas nessa noite, deixe que eu fique com você.”


“Por que não ficar sozinha?
Deixe esta noite ser apenas minha...
Deixe com que apenas meu esse leito seja;
Não quero livrar-me das lembranças,
Pois todo passado tem sua lição e contentamento;
Quero apenas uma noite sem você, sem a tortura
Fechar os olhos e esquecer que me lembro do que tanto sinto falta...
Apenas essa noite, deixe que eu fique sem você.”


“Porque aqui é mais macio e seguro;
A tua cintura é um emaranhado de conforto
Onde os pensamentos se perdem,
Onde o juízo sucede
Onde eu faço abrigo...
Apenas você têm o dom...”


“Mas é no meu peito que se acalenta
Que tua alma se esquenta,
Que a minha se inquieta;
É no meu coração que você se ajoelha,
Me pedindo que seja sua...
Todos os meus pensamentos, o meu respirar, os dias, as noites;
Me fez escrava da saudade que me impõe;
Por isso, hoje... a sua companhia, quero não.”


“Pois o que farei eu lá fora?
Meu caminho é vazio, perdido
Sem um alguém para junto estar;
Por isso é que insisto para ficar...
Eu não conseguiria permanecer e você sabe porquê;
Não faço por mal a dor que te imponho, é o preço da minha existência;
Tem conhecimento do meu nome, não sou uma “estranha”
Tu bem sabes qual é a minha missão.”


“Sei pelo que e porque existe,
Sei da força que possui;
O quanto é difícil para uma mulher, ainda mais como eu
Livrar-se dos seus braços tão envolventes,
Dos seus calorosos braços frios que toda noite
Vem a me visitar;
Mas hoje digo teu nome e te coloco nem que seja só por esta noite,
Da porta pra fora...


Solidão, hoje não te faço ninho, nem morada, nem desalinho...
Hoje serei apenas eu em meu quarto, dormindo sozinha...
Esperando talvez até um outro alguém, mas que seja mais confortável
Que o peso na alma que tens para me oferecer;
Nem que seja a Ilusão de fingir que se ama,
Ou o Tesão de se sentir amada na pele;
Nem que seja o Sossego...
Mas hoje, como mulher que sou, não me permitirei deitar com a Solidão”.



By Luciana Santos

posted by Luciana Santos at 14:29

5 Comments:

Eita que se imprimir e torcer este texto escorrer lágrimas hein!!!

Como você bem lembrou, o assunto saudade já foi abordado uma vez antes nesse blog. Confesso que me sinto mais a vontade com a abordagem anterior.

Não encaro a solidão com a tristeza que que exala do seu texto, cuja estrutura e inspiração são inegavelmente belas.

Alías,não encaro "mais". Portanto, o seu texto me arremeteu a outras épocas, da qual não sinto falta, mas, que "de vez em nunca" traz uma sensação nostálgica inexplicável. Engraçado isso..a nostagia de coisas não tão agradáveis é algo inerente ao ser humano e valeria a pena ser mais profundamente abordado...fica a sugestão...:)

Por falar em sugestão, Lú, o Divã Rsa Choque está com uma promoção interessante. Premiando os melhores Contos Eróticos (coincidência não? rsrs) Pega o link lá no Ordem e dá uma conferida..vale a pena.

Beijão!!!

Igor André
(ordemincaos.blogspot.com)

2 de março de 2009 06:09  

Vejo a saudade e solidão assim, como uma tristeza...
Você parece que escreveu isso pra mim, me vejo em cada palavra, nem sei como explicar!
Existe a saudade que chega a ser saudável, mas a falta que faz alguns momentos e pessoas que provavelmente não viveremos mais, chega a doer muitas vezes, é dor que não é nada agradável de se sentir!
Prefiro a saudade boa, que me remete a momentos bons e pessoas especiais que fazem falta, mas me lembram sentimentos lindos que guardei.

Bom, meio confusa aí no comentário!rs.. Liga não, depois piora!
=)

beijão Lu!

2 de março de 2009 07:22  

" quero você inteira e a minha metade de volta"

2 de março de 2009 12:03  

nossa..
sem falas para explicar..

3 de março de 2009 04:45  

lindíssimo texto, moça! Valeu a visita e voltarei mais e mais vezes. Solidão, ainda que pareça incompletude e tristeza, nos ensina as coisas mais completas e complexas... q com sensibilidade, conseguimos aproveitar.

Bjões

6 de março de 2009 08:48  

Postar um comentário

<< Home